Home / Noticias 2008 / 08-129

 

Dicas para comer bem acampando

Veja como é fácil comer bem sem ter que levar a panela de pressão!
Siga as dicas da nutricionista Glauce Yanamine e sobrará tempo e espaço no carro para você e sua Família!



Foto: Reprodução

Um dos problemas do campista está relacionado com a comida. É difícil escolher uma comida fácil de fazer, que não pese na mala e ainda seja nutritiva. Mas, isso é possível, só basta ter alguns cuidados na hora de fazer as compras.

Primeiramente, é preciso saber o que é uma alimentação equilibrada. Uma pessoa se alimenta bem, quando ingere todos os nutrientes que ela precisa para sobreviver e realizar as atividades do dia (trabalhar, estudar, praticar esportes e etc.). Dentre os nutrientes, podemos destacar os chamados macronutrientes, que são

aqueles que nós necessitamos em maior quantidade:

Proteínas: são responsáveis pela construção e manutenção dos tecidos. Encontradas principalmente em ovos, carnes, leite e derivados.

Carboidratos: fornecem energia ao organismo para realizar as mais diversas atividades. São o nosso “combustível”. As fontes são açucares, leite e derivados, frutas e leguminosas, cereais (como pães e arroz) e tubérculos (como batata e mandioca).

Lipídeos: tem como uma das funções a reserva de energia. Além disso, são muito importantes, pois fazem parte das membranas das células, são hormónios e vitaminas (A, D, E e K). São fontes: óleos, gorduras, ovos, carnes, leite e derivados, peixes e algumas frutas como abacate, coco, castanhas, nozes, avelã).

O nosso organismo precisa desses nutrientes em diferentes proporções. Do total de calorias que ingerimos, 10 a 15% deve corresponder às proteínas, 55 a 75% aos carboidratos e de 15% até no máximo 30% aos lipídeos. Essas recomendações são fáceis de se atingir, quando se tem uma alimentação variada, principalmente com pães, cereais, vegetais, frutas, leite, ovos e carnes.

Mas como ter uma alimentação variada no camping?
Existem muitos alimentos no estilo instantâneo, que são fáceis de preparar e nutritivos. Alguns exemplos são: Arroz (à grega, com legumes, risoto entre outros), feijão, purê de batata, polenta pronta, curau de milho, farofa pronta, sopão e canjão. Comer macarrão, tipo miojo, também é uma opção, mas é bom variar para não enjoar.

Para o café da manhã ou lanches, pode-se optar por barras de cereais, frutas secas (ameixa, damasco, uva passa), “bisnaguinha”, torrada, pão de forma, queijo pasteurizado tipo “polenguinho”, leite em pó e cereais matinais entre muitas outras opções. São alimentos que não precisam ficar na geladeira e não pesam na mala.

Esses alimentos poderiam ser consumidos, por exemplo:

no café da manhã: uma tigela de cereal matinal com leite em pó, 4 unidades de torrada com queijo pasteurizado.

no almoço: 1 a 2 porções de arroz instantâneo, 1 a 2 bifes magros (churrasco), 1 laranja.

no jantar: 1 a 2 porções de arroz e feijão, purê de batata, sopa e uma fruta seca ou fresca.
entre as refeições: barra de cereais, refresco em pó, bolacha com cereais, isotônico, pão de forma com queijo pasteurizado, leite com achocolatado em pó, biscoitos salgados e doces e bombom.

Esse é um exemplo genérico de uma dieta. Algumas pessoas precisam comer mais do que as outras, por isso, cada um deve comer o que precisa de acordo com suas necessidades. Alguns alimentos podem ser tirados da dieta, para aqueles que não precisam ou não querem consumir muitas calorias, como biscoitos e chocolates, pois têm muitas calorias vindas de lipídeos e poucas vitaminas e minerais.

Uma dica na hora de fazer as compras é olhar nos rótulos dos produtos. A maioria deles indica a quantidade de calorias e nutrientes, podendo até fornecer a porcentagem da recomendação diária de cada um deles. Com isso e um pouco de bom senso, dá para se alimentar muito bem, sem perder tempo para aproveitar o camping.

Referência
Oliveira JED, Marchini JS, Ciências Nutricionais. São Paulo: Sarvier,1998.